8 de setembro de 2016

Sakamoto se recusa a admitir que o UOL foi atacado por militantes petistas

O blogueiro mais bobalhão do UOL - e olhe que a concorrência é grande - fez um textinho desabafando, com aquela típica basofia pseudo-filosofal do pós-modernismo, reclamando sobre o fato de alguns jornalistas do UOL terem sido agredidos durante atos pró-PT realizados ontem. Ele também se queixou por conta da depredação realizada na sede da Folha de São Paulo, semana passada.

Pois bem. O texto do Sakamoto está aqui, e te desafio a clicar no link, apertar as teclas CTRL + F, e digitar os termos "PT", "petista", "Dilma", "Lula", ou quaisquer outros que tenham ligação com os atos de vandalismo e terrorismo realizados desde a semana passada. Garanto que não achará nenhuma menção sequer.

O vídeo divulgado ontem pelo próprio UOL mostra que os agressores eram militantes petistas, todos com camisas vermelhas, basicamente o uniforme do MST. Aqueles que atacaram a Folha na semana passada também eram comprovadamente ligados ao partido. Mesmo assim, Leonardo Sakamoto não disse uma palavra sequer a respeito disso. Ao contrário, fez um texto enorme, cheio de obviedades sobre liberdade de expressão e informação, etc. Outra coisa que ele omitiu foi o fato de que o grupo Mídia Ninja, que se vende como "mídia independente", é um dos principais incentivadores deste tipo de violência.

Talvez o fato de Sakamoto e Pablo Capilé serem financiados com dinheiro da mesma fonte - George Soros - impeça o blogueiro de "lembrar" destas coisas. Ou, também, pode ser o fato de que o blogueiro é petista, que apoia os mesmos candidatos de extrema-esquerda que organizam estes atos, e que é um defensor dos mesmos projetos de poder. Afinal, alguém que se orgulha de defender o regime cubano não pode mesmo ser dos mais honestos.

Sakamoto é um desses "intelectuais" da nova geração, e apesar de ser completamente vazio de conteúdo, é certamente nocivo no que diz respeito a cooptar jovens justamente através da superficialidade naquilo que escreve. Uma pessoa analítica percebe que não há nada de muito sofisticado ou profundo no que Sakamoto diz, mas um leigo pode comprá-lo facilmente.