11 de setembro de 2016

Como a extrema-esquerda passará a agir nos próximos meses ou anos?


A noção de que a extrema-esquerda passará a agir de modo ainda mais radical é básica, é isso que já acontece no momento. Contudo, precisamos entender os mecanismos disso, o que eu não abordei em meu artigo sobre o impeachment

Uma questão importante a respeito de política é que nem tudo se resume a fazer as pessoas gostarem de você. Muitas vezes, sua posição é extremamente desfavorável e você enfrenta enorme rejeição. Nestes casos é mais difícil conseguir reverter a rejeição e conquistar novamente os corações das pessoas. O que se faz, portanto, para dar a volta por cima? Aumenta-se a rejeição do seu adversário.

Sempre que as pessoas questionam porque o PSDB ataca tão pouco o PT, respostas surgem dizendo que é porque o partido tem o rabo preso. Isso, no entanto, não faz sentido. Se você está em uma situação desfavorável, tem menos a perder e portanto muito a ganhar. Não faz sentido ficar na defensiva.

Em 2012, na semi final da Eurocopa, Alemanha e Itália se enfrentaram em um jogo duro. O fim do jogo se aproximava e a Alemanha perdia por 2 a 1. Se você viu o jogo, deve se lembrar qual foi a atitude dos alemães: eles partiram para o ataque com tudo. Nos últimos cinco minutos de jogo, até o goleiro saiu de sua posição para tentar buscar o empate. Absolutamente toda a equipe partiu para o tudo ou nada, porque era uma semi final de uma Eurocopa, um dos campeonatos mais importantes do futebol mundial. 

No fim das contas, a Itália ainda assim venceu, mas os alemães buscaram a vitória em todas as oportunidades. Se eles tivessem aceitado a derrota e ficado na defensiva, talvez levassem ainda mais gols, porque o time que não ataca inevitavelmente perde.

Voltando à política, quando você está em uma situação ruim e aparentemente irrecuperável, o certo é desistir de tentar se recuperar e partir para o ataque total. É isso que os petistas farão daqui para frente. Eles já sabem que não dá mais para recuperar a confiança no partido, sabem que Lula e Dilma estão com a imagem desgastada. A tática, a partir de agora, será não mais proteger Dilma e Lula, mas atacar Temer e aumentar a rejeição sobre ele. Simples assim.

Nas eleições de 2014, sobretudo a partir do segundo turno, a tática usada foi essa. Em vez de defenderem Dilma de ataques, os petistas se organizaram e massacraram a imagem de Aécio Neves, às vezes com verdades, mas muitas vezes com mentiras. Os ataques, entretanto, foram frequentes. Todo dia pipocavam na internet inúmeras acusações contra o tucano, vários memes tirando sarro dele e muitas informações inverídicas para queimá-lo perante parte do público.

O vídeo abaixo mostra um pouco disso. Aqui, no debate, ambos os lados se saíram bem. Não houve uma "vitória". Apesar de o Arthur do MBL ter se dado ligeiramente melhor em alguns pontos, não houve um "touchè" definitivo, e o tal Josué conseguiu dar umas boas cutucadas. Porém, o ponto mais interessante é a análise apresentada pelo tal Josué, do MTST, que deixa bastante claro isso que estou dizendo. Eles vão lutar para acabar com a imagem de Michel Temer a qualquer preço, e com isso pretendem tornar o país ingovernável.

Com o passar do tempo, se eles souberem atacar, a rejeição ao governo Temer pode aumentar e isso pode fazer com que as pessoas comecem a refletir sobre o processo de impeachment. Ainda que não confiem e não gostem de Dilma, caso o plano dê certo elas pensarão que Temer é pior.

Claro, isso que estou dizendo é mera conjectura, eu não prevejo o futuro. Contudo, é este o caminho que provavelmente a esquerda tentará seguir. Se ela fizer o trabalho bem feito, pode funcionar. Se funcionar, e se até lá o molusco não estiver preso, Lula em 2018 volta a ser uma possibilidade.

A nossa ação, no momento, é a de continuar atacando. Não podemos baixar a guarda só porque o impeachment deu certo. Precisamos, pelo contrário, atacá-los ainda mais e com mais força. Devemos continuar com o trabalho de rotulagem e até mesmo aumentar a carga de agressividade em nossas investidas. Os militantes petistas, por sua vez, precisam ser tratados como criminosos. Estes que vão para as ruas queimar e destruir coisas precisam ser vistos como vândalos, como truculentos, como pessoas intolerantes.