10 de setembro de 2016

A extrema-esquerda e o "Estado laico" de conveniência


Sempre se soube que esse papo de Estado laico é uma coisa que a extrema-esquerda usa quando convém, mas que também ignora quando convém. O vídeo abaixo, por exemplo, tem sido divulgado por aí nos últimos dias por mostrar um bispo falando mal do capitalismo e do "golpe" no Brasil. Veja, mas nem precisa ver tudo, apenas dê uma olhada em alguns trechos aleatórios para ter uma ideia.


Obviamente a extrema-esquerda tem divulgado tudo isso aos quatro ventos, da mesma forma que a Carta Capital postou uma imagem com uma frase dita pelo Papa Francisco:

A verdade é que a opinião da Igreja, dos pastores, dos padres e de quem quer que seja, se estiver de acordo com aquilo que eles pretendem passar adiante, é valorosa e amplamente explorada. Quando, ao contrário, estas opiniões divergem da narrativa esquerdista, aí entra em cena o discurso anti-religioso, medievalista e, é claro, o "Estado laico" é invocado.

O ponto, aqui, não é expor isso como se fosse um problema. Como todos os meus conhecidos sabem, eu não sou cristão, sempre fui ateu. E, a propósito, também não acho que seja errado agir desse jeito. A esquerda age de forma inteligente, e ao fazer isso ela conquista o apoio de alguns religiosos. Por mais que nós saibamos que o comunismo é incompatível com os valores cristãos, isso não significa que todos saibam, ainda mais considerando a imensa quantidade de padres, bispos e até cardeais ligados a movimentos de esquerda.

A CNBB, por exemplo, é repleta de comunistas. Até membros do MST já deram palestras lá dentro. O próprio Papa Francisco demostra ter uma certa simpatia por esses ideais, embora nada seja realmente comprovado. Quando Letícia Sabatella foi até ele para explorar sua imagem e "denunciar o golpe" no Brasil, ela o fez ciente de que qualquer coisa dita pelo Papa poderia ser usada para se aproveitar de sua imagem. Sites como Brasil 247 e O Cafezinho também souberam explorar este fato, mesmo com pouco a ser explorado - até porque o Papa não disse nada demais a respeito.

A alternativa, principalmente para quem é engajado em questões religiosas, é agir com a mesma inteligência e passar a disseminar dentro das instituições, sobretudo para os jovens, que os ideais comunistas ferem o evangelho. É preciso saber reagir a esses avanços. Inclusive, recomendo um vídeo do padre Paulo Ricardo:


O discurso do padre, neste caso específico, está totalmente correto. Ele desconstrói a forma como agem os professores doutrinadores. Porém, a crítica por si só é insuficiente. É necessário explorar esse tipo de coisa contra eles também, é preciso fazer a contra-doutrinação. Por isso, recomendo a quem é religioso que aja de acordo. A única coisa mais nociva do que a ação dos maus é a falta de ação dos bons.