9 de agosto de 2016

Sanders apoia Dilma, Hillary apoia Maduro, mas brasileiros insistem em não entender

Sei que muitos podem achar irrelevante a realidade política americana. De vez em quando vejo comentários a respeito de como deveríamos nos importar menos com o que acontece lá nos EUA. Quem pensa assim é obviamente tolo, e fica fácil entender esse tipo de coisa quando se enxerga a política de modo maduro, adulto, sem infantilismos estúpidos que são comuns a quem quer ver o mundo através do prisma ideológico.

Hoje foi noticiado em toda parte que Bernie Sanders, senador Democrata que até pouco tempo atrás tentava ser candidato a presidência, defendeu Dilma Rousseff e pediu que o governo Obama interviesse contra o impeachment no Brasil. Sanders é um socialista radical que quase conseguiu ser candidato pelo partido Democrata. E quando falo em quase, é quase mesmo. Com um pouco mais de apoio e menos boicote, ele teria conseguido. Isso significa, indiscutivelmente, que há no partido um enorme apoio a medidas extremistas como estas. Além disso, Sanders é apoiador de Maduro e Fidel Castro abertamente.

Hillary Clinton, por sua vez, hoje é apoiada pelo mesmo Bernie Sanders, o que também nos indica algo óbvio: há um projeto de poder em comum para ambos, do contrário não estariam juntos nessa peleja contra Trump. Clinton tem sua tese de doutorado sobre outro socialista tão radical quanto Sanders, que foi o intelectual Saul Alinsky, um gênio da Guerra Política, é importante lembrar. Se hoje o Partido Democrata é eficaz em suas demandas a ponto de estar a caminho do terceiro mandato consecutivo - o que não é comum nos EUA - isso se deve em grande parte ao trabalho de Alinsky, que transformou a esquerda norte-americana em uma poderosa máquina de manipulação política.

A Democrata, aliás, é também muito chegada nos ditadores latinos, tais como Hugo Chávez e Nicolás Maduro. Seu atual presidente, Barack Obama, fez questão de reatar relações com o governo cubano, apesar de isso não trazer benefício nenhum ao povo americano.

Frequentemente, quando falo sobre o fato de o partido Democrata ser apenas um PT mais eficiente, recebo resposta de pessoas em geral ignorantes sobre a política mundial que negam isso, dizendo que Democratas nem se assemelham ao que temos na esquerda brasileira. Isso não passa de impressão, é coisa de quem acredita em propaganda e não em produtos. Pessoas assim certamente são influenciadas por nossa imprensa, que é quase inteiramente simpática aos ideais do partido de Hillary e Obama.

Sim, não podemos cair no erro de comparar a realidade dos dois países de forma crua, pois há diferenças jurídicas, políticas e principalmente históricas. Mas no longo prazo, pessoas como Hillary são tão destrutivas quanto uma Marina Silva, só que ainda mais eficientes e com muito mais poder nas mãos. A política americana, feliz ou infelizmente, pode mudar muita coisa em todo o mundo. É mais que necessário entender isso para poder ser considerado um adulto de verdade.