4 de julho de 2016

STF ordena quebra de sigilo bancário de Waldir Maranhão

O Ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, ordenou a quebra de sigilo bancário do presidente interino da câmara, Waldir Maranhão, o mesmo fanfarrão que tentou anular o processo de impeachment e que agora, junto com o PCdoB, articula para travar a CPI da UNE. A decisão foi tomada a partir de fortes indícios de envolvimento do deputado em esquemas com institutos de previdência para funcionários públicos.

O caso está vinculado a investigações antigas sobre Maranhão, e as suspeitas foram reforçadas a partir de uma delação homologada por Marco Aurélio já em 2014, que havia sido encaminhada pelo TRF um ano antes. 


A Operação Miqueias, deflagrada pela Polícia Federal em 2013, investiga um enorme esquema de fraudes envolvendo uma rede de empresas de fachada, usadas para lavagem de dinheiro, e que estariam nas mãos de um dos principais doleiros de Brasília, o Fayed Traboulsi. A suspeita que recai sobre Waldir Maranhão é a de que ele tenha recebido propina para atuar em diversas prefeituras a favor do esquema, de modo a fraudar as previdências de funcionários públicos municipais.

É com este homem que, agora, a esquerda vem se associando para tentar proteger o PT. É com ele que Carina Vitral, da UNE, se encontra em reuniões. É com ele que Flavio Dino, do PCdoB, articula para boicotar a CPI da UNE. Nada de novo vindo de quem vem.