1 de julho de 2016

Para desespero petista, TSE barra a farra das vaquinhas

O Tribunal Superior Eleitoral, em decisão tomada hoje, deu um 'chega pra lá' na farra petista de pedir doações por meio de crowdfunding.

A ministra Maria Thereza de Assis Moura, que relatou o tema, tomou a decisão pautada na lei eleitoral, entendendo que as 'vaquinhas' para campanha eleitoral violam a transparência, pois podem ser feitas sem declaração. Isso, embora a ministra não o tenha dito, é uma forma de barrar também o que era provavelmente uma enorme fraude, visto que é ano eleitoral e que o PT mais precisa é se fortalecer diante da imensa crise política na qual se enfiou. Essas doações, em maioria anônimas, certamente iriam parar nos caixas do partido, talvez até para pagar o advogado de Dilma.

Foi com base nessa suspeita que os deputados Molon (REDE) e Daniel Coelho (PSDB) consultaram o TSE, o que fez com que o Tribunal bloqueasse esse tipo de doação, permitindo apenas aquelas que são declaradas através do site do candidato ou do partido.

É necessário entender que o problema aqui não são as doações voluntárias, mas a ilegalidade que permite lavagem de dinheiro sujo, que é provavelmente o real interesse de certos políticos poderosos, sempre com muito a esconder. Com esse tipo de recurso, o político pode simplesmente tirar o dinheiro que ele desviou de algum lugar e depositar anonimamente em sua campanha, fazendo a verba voltar para ele.