4 de julho de 2016

Militância fascista ataca na USP novamente

E eis que após o caso do menino Thandryus (o 'Tandy') e sua turminha, um novo caso de intimidação de um professor acontece na USP. A vítima da vez é o professor e doutor João Roberto Gomes de Faria, que foi cercado por uma manada animalesca de militantes de movimentos "sociais".

Como de costume, a militância não quis ouvir nada e nem quis dar espaço para o contraditório. Sequer foram lá para isso. A intenção era uma só: intimidar, pressionar e impor suas pautas. Acusaram o professor de ter sido racista apenas porque ele, na condição de vice-diretor da FFCLH, "ousou discordar" do movimento negro. Aliás, ele "ousou discordar" de suas imposições.

movimento USP Livre mais uma vez nos fez o favor de denunciar, e na postagem usaram os termos corretos, referindo-se a estes militantes como fascistas e autoritários. Abaixo o vídeo que postaram na página:

video

Faço questão de baixar estes vídeos e fazer o upload para o meu site, assim é mais garantido que o material não se perderá com possíveis denúncias da militância de esquerda. Sabemos que seu modo operante consiste em fazer qualquer coisa para calar quem se opõe, o que frequentemente inclui denunciar postagens em massa para que o Facebook as tire do ar.

O que eu espero, de fato, é que o movimento que se opõe a isso comece a agir e trabalhar firmemente contra essa escória. Espero, não apenas do movimento USP Livre, mas de qualquer libertário, liberal ou mesmo conservador que queira estudar em uma universidade, uma postura mais incisiva contra esses mini bandidos. Eles são poucos, mas sabem fazer barulho e intimidar. É só a oposição começar a bater o pé e se organizar contra isso que em pouco tempo a baderna vai acabar.