13 de julho de 2016

Haddad acha que as pessoas estão críticas demais com seu governo - Por que será?


Em entrevista à rádio Brasil Atual, o prefeito de São Paulo, petista Fernando Haddad, reclamou que as pessoas estão muito críticas de sua gestão. No entanto, a culpa "é da imprensa", não é dele. É assim que pensa o prefeito. Talvez devêssemos refrescar sua memória, então.

1 - Ciclofaixas everywhere

O petista é duramente criticado pelo abuso das ciclofaixas. Várias pessoas o criticam nesses últimos anos por ele ter feito faixas para bicicletas por toda parte da cidade, incluindo lugares sem necessidade e outros cuja "inovação" serviu apenas para atrapalhar a mobilidade urbana. A verdade é que ele nunca refletiu sobre isso, pois não se importa, é alguém que governa para uma elite de esquerda e não para o povo.

Claro que isso ainda seria pouco. O problema é que foram tantas ciclofaixas mal feitas que simplesmente não tem como ignorar. Em janeiro deste ano, por exemplo, uma ciclista ficou gravemente ferida, tendo o braço e o maxilar quebrados em acidente ocorrido na zona oeste da cidade. A causa desse acidente foi, justamente, a ciclofaixa, que a prefeitura apenas passou por cima de uma fenda de bueiro.

Ano passado, um homem foi atropelado e morto por um ciclista. A causa do acidente? Ciclovia mais projetada, feita por baixo do Minhocão. O homem que morreu simplesmente não percebeu que havia ali uma ciclovia e, por isso, acabou ficando no meio do caminho.

O problema é que o prefeito foi muito alertado sobre essas coisas. Diversas pessoas, antes de esses acidentes acontecerem, já vinham criticando as ciclovias mal feitas, as faixas pintadas por cima de buracos ou até mesmo em beiradas de calçada, entre outras coisas até piores. Ele e sua base, os intelectuais de esquerda, se limitaram a criticar de volta os seus críticos os chamando de "coxinhas" e fazendo piadinhas, ninguém se preocupou em averiguar se as críticas tinham fundamento. E elas tinham.



2 - Tirar cobertores de mendigos

Mais uma vez, para agradar a elite que o elegeu, Haddad praticou aquilo que poderia ser comparado a uma "higienização", usando seu aparato público para remover cobertores e caixotes usados por moradores de rua em uma das semanas mais frias do ano até agora. Nesse ínterim, alguns mendigos até morreram de hipotermia. 

Em resposta, o prefeito "tranquilão" negou que tenha ordenado essa atividade, no entanto também falou que não queria a "favelização" da cidade. Curiosamente, quando o criticaram por isso, também houve respostas irônicas e piadinhas, nenhum respeito.


3 - "Brincadeirinhas" para enganar jornalistas de oposição

O petista folgado e mal acostumado, para "zoar" um repórter que se opõe a ele, achou que poderia fazer uma "brincadeira" e alterar sua agenda no site, deliberadamente usando um serviço público para seu divertimento.

Em maio, para "pregar uma peça" no jornalista Marco Antônio Villa, Haddad divulgou uma agenda falsa no site da prefeitura apenas para que o radialista a comentasse equivocadamente. Ao ser criticado por isso, achou que não fez nada errado, e ainda se justificou dizendo que fez isso para "desmascarar" um jornalista de oposição. A palhaçada pode até lhe render processo.

Conclusão

Pode até ser que algumas pessoas o critiquem apenas por ele ser petista, mas a verdade mesmo é que ele foi, de longe, um dos priores prefeitos que São Paulo já teve, e isso é hoje quase uma unanimidade. Com exceção daqueles militantes engajados e dos intelectuais de esquerda, ninguém realmente o apoia. É um prefeito infantiloide e cretino, além de estar sob suspeita de recebimento de propina para sua campanha eleitoral em 2012.