19 de julho de 2016

Dilma, ninguém acredita nos seus blefes

A quase ex-presidente Dilma Rousseff, pela terceira vez só esse ano, ameaçou processar jornalistas. Dessa vez a ameaça foi contra a Istoé, que mostrou no fim de semana as regalias de Dilma e sua família. Paula Rousseff, sua filha, mesmo vivendo em Porto Alegre era usuária de carros blindados e seguranças oficiais do governo, tudo isso de forma ilegal e desde o primeiro mandato de Dilma, iniciado em 2011.

Há poucos meses ela também havia ameaçado processar a Istoé por outra matéria, dessa vez porque a revista divulgou material que mostrava Dilma como desequilibrada, tendo rompantes de raiva sob o uso abusivo de remédios pesados. E contra o jornalista Merval Pereira, d'O Globo, a petista também disse que o processaria por uma matéria a respeito das dívidas pessoais de Dilma que foram pagas com dinheiro desviado da Petrobrás.

Obviamente ela não processou ninguém, e provavelmente nem vai. Essa palhaçada toda é um blefe, e é um blefe ruim. A imprensa nestes três casos apenas fez seu papel, tornando públicos os fatos - sim, fatos - sobre uma figura que é de interesse público. O que Dilma faz ou fez dentro do Palácio do Planalto, ou em qualquer de suas atribuições como presidente, com uso de dinheiro público, é de interesse de todos, pois somos nós que pagamos por tudo isso. Talvez a presidente afastada esteja mal acostumada, mas é assim que as coisas devem funcionar.

Ela pode processar quantos jornalistas quiser, apesar de ser bem provável que seus advogados a tenham aconselhado a não fazer nada disso. No entanto, não conseguirá nada além de passar mais vexame e expor ainda mais seu caráter autoritário. O governo não tem que controlar a imprensa e ponto final. Pensar diferente disso é apoiar a ditadura.