16 de julho de 2016

Após uma enxurrada de besteirol desarmamentista, a Interpol (quem diria?) diz algo decente

O secretário geral da Interpol, Ronald Noble, em entrevista a ABC News, disse finalmente algumas verdades sobre a questão do terrorismo e do armamento civil, sugerindo que estar desarmado diante de um crescimento exponencial de grupos como ISIS é um risco elevado.

De fato, é exatamente isso. Noble foi questionado sobre os recorrentes ataques terroristas na Europa, cada vez com intervalos menores de tempo e aparentemente maior eficiência, e respondeu de forma que o distinguiu de praticamente todas as vozes dos órgãos globais ou internacionais de segurança, sugerindo o armamento civil como solução mais eficaz.
“A polícia e os cidadãos do mundo todo devem questionar seus pontos de vista sobre o controle de armas. Com a ameaça do terrorismo, não temos hoje uma maior necessidade de cidadãos armados do que tínhamos no passado? É algo que precisamos discutir. Onde você preferiria estar: Em uma cidade onde há controle de armas e nenhum cidadão armado, como no Shopping Westgate (no Kenia) ou em um lugar com o Texas?” (Ronald K. Noble)
Já escrevi sobre isso aqui diversas vezes e repito: Se o desarmamento civil fracassou em todo o mundo no combate aos crimes comuns, não há qualquer razão para crer que ele seja eficiente no combate ao terrorismo, uma forma muito mais cruel e violenta de crime, além de ser muito mais imprevisível. Assaltos e trocas de tiro entre traficantes são coisas relativamente comuns, é possível prever onde irão acontecer ou quando. O terrorismo não. Qualquer local público de grande circulação de pessoas é um alvo em potencial, e mesmo assim terroristas já atacaram locais completamente inesperados.

A mensagem que o terrorismo quer passar é a de que as pessoas nunca estão seguras. Uma bomba pode explodir no Central Park, em Nova York, ou pode explodir em uma pracinha no Broolyn. Talvez um homem entre fuzilando pessoas em uma boate gay ou simplesmente dirija seu caminhão atropelando pessoas à beira-mar. Não dá para saber quando os ataques vão acontecer, exceto se os próprios terroristas derem pistas disso.

Estar armado em situações como essas pode ser a nossa única chance real. E mesmo que não dê certo, ainda é melhor do que ser abatido feito um animal. Um terrorista, diferente de um assaltante qualquer, não quer apenas te roubar e ir embora. Todo terrorista tem como objetivo causar o maior número de mortes que puder e se ele precisar está disposto a morrer tentando. É por isso que eles são mais perigosos do que qualquer outro tipo de criminoso, e é por isso que mais armas podem nos ajudar muito a enfrentá-los.