26 de junho de 2016

Precisamos falar sobre a USP


Na última semana a USP já havia sido assunto aqui no site, na ocasião em que o professor/herói Silvio Salinas, do Instituto de Física, não permitiu a entrada de alunos grevistas (risos) em sua sala de aula. Hoje até mesmo a Foice... Folha de São Paulo, provavelmente pressionada diante dos fatos, publicou um breve (brevíssimo, na verdade) editorial sobre os abusos cometidos pela esquerda universidade, muito embora tenha ocultado a identidade individual ou grupal dos movimentos estudantis responsáveis por isso. A Folha também não poderia deixar de fazer uma esdrúxula introdução ao tema falando sobre a ditadura militar que já acabou há trinta anos, mas vamos adiante.

A Universidade de São Paulo é uma das mais importantes da América Latina e é, certamente, a mais influente do país. É de lá que saem diversos juristas conhecidos, filósofos, economistas, etc. Nas últimas décadas, entretanto, o ambiente tem se tornado cada dia mais animoso, tenso e descontrolado. Os movimentos estudantis, que em geral não possuem estudantes, simplesmente botaram tudo abaixo e estão trabalhando arduamente para deteriorar o que quer que exista de bom na Universidade.

O mesmo professor Silvio Salinas sofreu, essa semana, outra tentativa de intimidação, que você pode conferir neste vídeo:


No vídeo acima, o rapaz fica pressionando o professor em sua sala, tentando intimidá-lo. Não há o menor respeito por parte do aluno, ele pensa que é o dono do lugar e até das pessoas, quer obrigá-las a seguir sua agenda. Seu comportamento beligerante, contudo, nem é dos piores. Ao que tudo indica se trata de mais um jovem mimado e folgado. Há casos bem piores, há professores que já sofreram agressões físicas, bem como alunos que já foram ameaçados. 
Há exatos dois meses, uma colega de São Paulo e que é membro do MBL, a jovem Paloma Oliva, também foi ameaçada de morte apenas por ser oposição aos movimentos de esquerda. A mesma recebeu ligações intimidadoras e coisas do tipo.

Uma grande jogada que vi foi a do pessoal de Brasília, da União Democrática Acadêmica, que colou os cartazes abaixo em reação ao cirquinho da esquerda na UnB.


Bem que o pessoal da USP poderia fazer algo assim também, bem como estudantes de outras universidades brasileiras que sabem o quão absurdos são os movimentos de esquerda. Deixo também como sugestão a via judicial. Sei que pode não dar em nada, mas não custa tentar entrar com ações coletivas contra a UNE, a UBES e especialmente contra os diretórios acadêmicos que sejam compostos por esses criminosos disfarçados de estudantes. Também recomendo aos alunos da USP que convençam o professor Silvio Salinas a processar os alunos que o intimidaram. Essa gente tem que começar a sentir na pele as consequências de seus atos, do contrário nunca vão parar.

O movimento USP Livre tem feito um excelente trabalho em escancarar e tornar públicos os abusos cometidos pelos militantes políticos, em geral adolescentes ou adultos canalhas, mimados e mal acostumados. A começar, deixo aqui o link para um abaixo-assinado, e peço que você, se for estudante ou ex-estudante da USP, preencha-o com bastante vontade.