9 de junho de 2016

Novas eleições só beneficiariam o PT e seus agregados.


Se eu fosse um legalista estúpido poderia vir aqui e simplesmente dizer que exigir novas eleições é um delírio, pois está fora da constituição. Isso foi, a propósito, o que vi diversos blogs de direita escrevendo. Porém, considero esse argumento extremamente frágil e, acima de tudo, vejo que ele não acerta o 'x' da questão.

Qual o 'x' da questão? Simples! Devemos questionar quem se beneficia com novas eleições e ver quem quer que elas aconteçam. A saber, só há dois grupos distintos apoiando a ideia de exigir um novo pleito: a extrema-esquerda e parte da extrema-direita. A primeira por conveniência, a segunda por ser estúpida e entrar no jogo dos primeiros, como de costume. E é fácil notar como a extrema-esquerda se beneficiaria com isso.

De imediato, ela se beneficiaria do caos e da instabilidade político-econômica. Se enganam aqueles que veem o governo Dilma como mera sucessão de "erros". É verdade que algumas coisas saíram do controle e que ela falhou aqui e ali, mas no geral tudo ocorreu, até certo ponto, exatamente como o PT queria. Tanto é verdade que apesar de todas evidências que se tem contra ele, Lula ainda está solto por aí, e José Dirceu, milionário, cumpre "prisão" domiciliar. Sem contar que o próprio impeachment de Dilma é pouco para ela. Mesmo que ela saia definitivamente de cena, diante dos crimes que cometeu esta é uma punição bem leve. O certo seria levá-la à prisão!


O novo pleito abalaria ainda mais a confiança dos investidores, aumentando o buraco em nossa economia. E de quebra, ainda, teriam fortes chances de se eleger justamente os partidos com mais dinheiro, que hoje são justamente PT e seus aliados, que passaram anos roubando bilhões da população.

Minha preocupação, entretanto, nem é com o Lula de volta ao poder. Creio que grande parte dessas pesquisas que o apontam como favorito sejam logro da própria esquerda. A rejeição ao Lula é bem maior do que sua aceitação. A verdadeira preocupação deve ser com as linhas auxiliares como REDE, de Marina Silva. Esta, além de muito dinheiro e capital político, tem também uma enorme cara de pau. E ela vai bem nas pesquisas desde o fim das eleições de 2014, além de ter feito uma boa votação já em 2010.

É possível constatar outra vantagem para a esquerda, no momento, que é justamente o fato de os partidos de oposição como DEM, NOVO, PSL e PSC estarem completamente desarticulados. Se as eleições acontecessem agora nenhum desses partidos teria tempo e dinheiro para bancar uma boa campanha. O povo seria, então, mais uma vez ludibriado por socialistas da pior estirpe, se vendo diante de uma triste escolha entre PT, PSDB e REDE, talvez até PDT com Ciro Gomes, todos canalhas de carteirinha.