6 de junho de 2016

Estupro no acampamento do MST e a esquerda em silêncio!

No último dia 4 a polícia descobriu um caso de estupro cometido dentro de um acampamento do MST. Os autores? Membros do próprio movimento, que fugiram logo após terem sido descobertos. Eu gostaria de dizer que estou perplexo com o silêncio dos movimentos de esquerda diante do fato, mas seria uma piada, e não acho que estupro seja um tema engraçado para rir.

Procurei na página do deputado Jean Wyllys, do PSOL, que passou as últimas duas semanas falando em estupro e machismo. Nada. Curiosamente até o tema estupro deixou de ser falado, como se assim, de repente, deixasse de ser assunto. Como o crime foi divulgado há dois dias, sendo que aconteceu há três, acho difícil crer na tese de que ele não tenha visto.


O Mídia Ninja, portal que passa 24 horas por dia postando coisas para a militância mais radical da esquerda, fez durante todo o fim de semana diversas postagens sobre estupro, mostrando lindos protestos contra o machismo. Pesquisei pela sigla "MST", nenhuma menção. Pesquisei por 'Movimento Sem Terra', idem. Aparentemente ninguém ficou sabendo nada sobre isso por lá também.

Entrei também nas páginas Blogueiras Feministas e Feministas Revolucionárias. Esta última, com quase 600 mil seguidores, não mencionou o caso. A última vez que postaram algo com as palavras "sem terra" foi em 9 de março em um post homenageando o movimento. A página Blogueiras Feministas, com 72 mil seguidores, também não disse absolutamente nada a respeito do assunto. Nenhum sinal de indignação com o estupro de uma mulher embriagada. Ambas as páginas são de esquerda e são bem conhecidas, acho improvável que nenhuma seguidora tenha enviado um link da matéria mostrando o caso.

A página Clube das Feministas, que diz ser liberal, também não comentou nada a respeito do assunto. No entanto houve postagens entre sábado e domingo. Para não ser injusto, com muita pesquisa achei uma página feminista que denunciou o caso, uma página minúscula seguida por menos de mil pessoas e que estava há meses sem nenhuma postagem. Justamente neste domingo, dia 5, pareceu ter acordado para postar a matéria. A página se chama Feminismo, Liberdade e Voluntarismo, e tem diversas postagens mais antigas com conteúdo libertário.

Acredito que no fim das contas eu tenha feito esse artigo para dizer o óbvio ululante mais uma vez. A esquerda realmente não dá a mínima para as mulheres, para os estupros ou para qualquer coisa do tipo. Só querem polemizar em cima daquilo que possa lhes dar capital político, simplesmente assim.


Correção adicionada às 11:00 de 07/06/2016, terça-feira.


O G1 afirmou ontem, após às 18 horas, que errou ao informar que o acampamento era do MST. Disse que a polícia não soube informar de quem era. Como a correção veio somente horas após a publicação deste material, que inclusive publiquei dois dias após a notícia sair no G1, não tinha como saber nada a respeito. Curioso é que tenham levado quase três dias para publicar a errata no site, e somente após o próprio MST emitir nota. Isso significa que o site mentiu deliberadamente sobre o caso ou mudou sua versão para não se incomodar com os militantes de esquerda.

Ainda assim, o argumento de que a esquerda é seletiva prevalece, pois basta ver a ponderação com que os blogueiros e twitteiros agiram neste caso e comparar com outros casos que não envolviam o MST. É como se por envolver um movimento de esquerda a presunção de inocência valesse, mas para outros casos não. E reitero que o silêncio da esquerda diante disso é permanente, basta verem como ela simplesmente ignorou outros casos de estupro envolvendo membros do MST, como o caso em que uma menina deficiente mental foi abusada sexualmente por pelo menos três pessoas (veja aqui) em 2014.