28 de maio de 2016

Pautas Quentes | MBL sofre ataques caluniosos da esquerda com a ajuda de Olavo

Vinícius Segalla, do portal UOL, é o "jornalista" responsável pela matéria que acusa o Movimento Brasil Livre de ter sido financiado por partidos políticos. Primeiramente, vamos tratar da matéria em si, e depois irei tratar do "jornalista" e do próprio portal UOL. No fim, quero trazer a vocês mais uma fraude intelectual cometida pelo Professor Aloprado, o charlatão da Virgínia, Olavo de Carvalho. Vamos ao que interessa:


A Matéria

Um título tendencioso com conteúdo morno, assim defino a matéria de Vinícius Segalla publicada ontem. A manchete dá a impressão de que descobriram um esquema de financiamento secreto, como se o MBL recebesse rios de dinheiro de partidos que se opõem ao PT. Se os leitores tiverem imaginação e preguiça de abrir o link, é possível até que alguns tenham presumido um financiamento ilegal, algo como propina. Só que a matéria, no entanto, não diz nada com nada e não prova nem o próprio título.


Será que os áudios "vazados" realmente mostram isso? Não. Eles não mostram. O que o "jornalista" apresenta como prova é uma gravação de menos de trinta segundos em que Renan Santos, um dos líderes do movimento, fala que conseguiu articular com alguns partidos (ele cita nominalmente PMDB, DEM e PSDB) para que eles também entrassem nas manifestações. Isso, a propósito, nunca foi segredo. Assim como também não é segredo que alguns membros do MBL sejam filiados a partidos políticos. Nada disso muda o fato de o movimento ser suprapartidário. Curioso é ver o "jornalista" em questão usar isso como argumento enquanto apoia movimentos de esquerda que são diretamente ligados a partidos de esquerda, e isso inclui movimentos que se dizem apartidários. Ou será que ele finge não saber que o MPL (Movimento Passe-Livre) é totalmente conectado ao PSTU, PSOL, PCdoB e PT?

Em nota oficial, o Movimento Brasil Livre esclareceu bastante a situação, deixando claro que sempre cobrou de partidos grandes que se opõem ao PT que eles também estivessem nas ruas ajudando o movimento popular. E isso é um fato não tão recente. O MBL cobrava isso de vários partidos desde o começo, e o PSDB foi inclusive duramente criticado justamente por ter aderido ao movimento pró-impeachment tardiamente, sendo um dos últimos a apoiá-los. Então, se estes partidos resolveram (somente este ano) se envolver nas manifestações para ajudar a engrossar o caldo, qual a surpresa? Ou melhor: qual o crime?

Um jornal sério não permitiria que uma matéria fake como essa fosse publicada, pois nem o título condiz com o conteúdo. É uma manchete sensacionalista para ser compartilhada sem ser lida. Luciano Ayan e Reinaldo Azevedo também escreveram sobre o assunto, mostrando bastante lucidez quanto ao ocorrido. Reinaldo, em sua matéria para a Veja, disse:
"Uma reportagem de incrível má-fé, e sobre o nada!, foi estampada no UOL, assinada por Pedro Lopes, que não sei quem é, e por Vinicius Segalla, notório militante de esquerda nas redes sociais e, segundo comenta por aí — ele é meio boquirroto —, inimigo do MBL. Por quê? Ele deve saber. Título do texto: “Áudios mostram que partidos financiaram MBL em atos pró-impeachment”.
Como é que o inimigo do MBL e seu parceiro chegaram a essa conclusão? Ouviram uma gravação em que Renan Santos, um dos coordenadores do movimento, critica Olavo de Carvalho..."
Luciano, em seu site, disse o seguinte:
"Ocupando cargo no UOL, Segalla busca factoides para atacar oponentes do PT ou quaisquer pessoas que se interponham no caminho do projeto totalitário do partido. A existência de pessoas dissimuladas deste tipo atuando como jornalistas é uma demonstração de que, após a queda da tirania de Dilma, precisamos discutir seriamente o uso abusivo de anúncios estatais para publicações de mídia."
É a pura verdade. Um pseudo-jornalista que age, na prática, como militante político.


Quem é Vinícius Segalla?

Para início de conversa, o ranço do "jornalista" contra o MBL é bastante nítido. Seus ataques ao movimento através do portal UOL são quase semanais. Só entre abril e maio deste ano foram mais de seis matérias atacando o Movimento Brasil Livre ou algum de seus mais conhecidos integrantes. O padrão é sempre o mesmo. Ele joga uma manchete escandalosa para um conteúdo que não seria notícia em lugar nenhum, exceto na esgotosfera da esquerda radical.

Outra "curiosidade" sobre Segalla é que ele é militante de esquerda assumido nas redes sociais, como bem pontuou Reinaldo Azevedo. Além disso, é conhecido por ter diversos processos justamente por calúnia, além de ter sido acusado de tentativa de extorsão e, antes mesmo de atacar o MBL, atacou também o presidente da Comissão de Impeachment (com mentiras, é claro) e tentou desmoralizar Sérgio Moro em uma das mais ridículas matérias já feitas neste país. Isso tudo, somado, prova apenas uma coisa: Segalla não possui nenhum compromisso com a verdade, sua missão é, aparentemente, defender o mandato de Dilma com unhas e dentes.

Talvez seja mera coincidência, mas o portal UOL também recebeu uma verdadeira fortuna do Ministério de Ciência e Tecnologia durante o governo Dilma. Mais especificamente, foram R$ 225 milhões, dinheiro suficiente para quitar algumas dívidas, ou talvez para comprar a linha editorial do jornal. Nunca saberemos.

Provavelmente não é mero acaso que as publicações deste "jornalista" sejam quase sempre reblogadas ou mesmo compartilhadas por toda a blogosfera de esquerda, especialmente os sites mais radicais como Tijolaço, Brasil 247 (já comprovadamente financiado com dinheiro público) ou Carta Capital. Foi o que aconteceu, por exemplo, com a matéria de Segalla que acusava Raimundo Lira, do PMDB, que é o presidente da Comissão de Impeachment, de ter cometido crime eleitoral. Luciano Ayan, em excelente análise, mostrou que o "jornalista" apenas jogou a informação de qualquer jeito, sem nenhuma evidência, e que a mesma foi imediatamente repassada adiante sem qualquer preocupação em conferir a veracidade.


Olavo trabalhando em prol da esquerda

Como já expus aqui nos últimos dois artigos, Olavo tem agido como verdadeiro serviçal da esquerda, ajudando-a a caluniar o MBL e se esforçando para desmerecer a luta pelo impeachment. Já provei aqui, com todas as evidências necessárias, que o Professor Aloprado é um charlatão, um mentiroso que criou uma narrativa completamente falsa sobre suas motivações contra o impeachment. Também já provei que sua guerrinha contra o MBL é completamente pessoal, e que ele tem colocado isso a frente de qualquer coisa.

Especialmente nas últimas semanas, o embusteiro Olavo de Carvalho tem atuado como garoto propaganda da extrema-esquerda, tendo suas "análises" usadas para deslegitimar o processo de impeachment. Agora, no entanto, ele passou de qualquer limite ao ter compartilhado pelo menos duas vezes essa mentira criada por Vinícius Segalla, um jornalista que ele próprio sabe não ser confiável. Abaixo, seguem os prints que provam isso. Antes, entretanto, vejam o que Olavo dizia sobre o portal UOL antes de sua birrinha com o MBL:


Viram, né? Olavo abomina a imprensa, chegando a sugerir cuspidas na cara antes mesmo de Jean Wyllys. No entanto, ele cita especificamente o portal UOL, sugerindo que não seja uma fonte fidedigna (e não é mesmo).

Agora, vejam o que Olavo compartilhou ontem, todo empolgado, na mesma página:


E uma vez só não bastou. Foram duas! Esta é de hoje mesmo.

E aqui, novamente Olavo insinua acredita cegamente na matéria publicada justamente no portal UOL. A pergunta que não quer calar é: Será que ele cuspirá em sua própria cara?


Se alguém ainda duvida que Olavo de Carvalho seja um charlatão embusteiro, só lamento. Aí já se trata de um grave caso clínico. Mais uma vez, me dei ao trabalho de mostrar todas as evidências necessárias.