23 de abril de 2016

Mídia Ninja e a "politização do cuspe."

Tal qual não foi minha surpresa ao ver uma "profecia" que fiz se concretizar tão rápido, mas tão rápido a ponto de eu ter quase chegado atrasado em sua contemplação!

Durante a semana escrevi aqui que Jair Bolsonaro ainda destruirá a direita, e hoje mesmo, mais cedo, fiz um texto dizendo que ele é o David Luiz da direita brasileira. Eis que um colega me envia este vídeo do Mídia Ninja, uma das coisas mais abjetas e repugnantes que a esquerda de nosso país já proporcionou, mas que inegavelmente possui certo traquejo político em suas descrições sobre os fatos.

No fim do vídeo é possível ver a hashtag #EuCuspoSim, fazendo alusão às cuspidas de Jean Wyllys e José de Abreu em pessoas que discordam, a quem sempre chamam de fascistas ou golpistas, concretizando uma inversão proposital da realidade na qual eles são tolerantes apesar de nunca tolerarem nada e nem ninguém. Também é possível encontrar na postagem a sugestão de "politização do cuspe", o que no entendimento de qualquer um que acompanhe os fatos é um equivalente a "vamos cuspir nas pessoas de quem discordarmos, agora com um bom pretexto."


Mídia Ninja, para quem não conhece, significa "Narrativas Independentes Jornalismo e Ação." Este grupo é ligado diretamente ao Coletivo Fora do Eixo, aquele mesmo do Pablo Capilé e do Bruno Torturra que já foi acusado de trabalho escravo, perseguição e assédio sexual por diversos ex-integrantes. Muitos liberais sequer fazem ideia de quem sejam estas pessoas, mas deveriam saber. Na guerra ideológica em que vivemos hoje esta turma ,aparentemente inócua, domina as pautas. Podem até não controlar a argumentação, mas a verdade é que nem mesmo se importam em argumentar. Fatos e lógica não são do interesse da esquerda, o que importa é, justamente, a narrativa.

Uma narrativa é uma "versão dos fatos" contada por um ponto de vista, e isso é, na prática, desculpa para pautar os assuntos conforme a agenda de quem narra. Podemos até dizer, seguramente, que "narrativa" é um eufemismo para mentira deslavada que é tratada como verdade. E nesse campo, sem sombra de dúvida, a esquerda nos dá uma surra, sobretudo porque nós, liberais, somos preguiçosos ou éticos demais para compreender esse jogo, e na maioria das vezes nem mesmo jogamos.

O que importa é que o Mídia Ninja, bem como Marcelo Freixo e outros grupos da extrema esquerda estão ditando as regras desse jogo. Na imagem abaixo, como pode ver, o grupo legitima o cuspe como reação a provocações e ofensas verbais. E qual é a desculpa usada para validar esse raciocínio? Dizer que é uma "reação ao fascismo da direita." E quem é que ajudou a dar impulso para esta narrativa? Sim, ele mesmo: Jair Bolsonaro.


Outras coisas não podem passar despercebidas, e uma delas é o nome da página de origem da postagem, que o Mídia Ninja apenas compartilhou, "Amor sim, Datena não." Sim, leitor. É isso mesmo. Para esta gente, Datena é um símbolo da direita reacionária, a despeito de já ter apoiado o PT inúmeras vezes e ter um quadro de Che Guevara em sua mansão. É mole? Pois é. Só que há uma razão por trás disso, e é o fato de que Datena pretendia concorrer para a prefeitura de São Paulo até pouco tempo atrás. Não é que eles realmente creiam que Datena seja de direita, é que imagem e palavras bem escolhidas formam uma fotografia e geram um rótulo. Datena já falou mal dos ateus e dos gays algumas vezes, isso basta. É disso que precisam.

Outro detalhe relevante são as quatro hashtags embaixo da postagem, especialmente a segunda e a terceira. Elas podem parecer bobinhas, mas estão ali para criar uma antagonização. Eles são "o amor", os outros são "o ódio", e assim se justifica a barbárie, pois na visão ali apresentada, contra "o ódio" qualquer ação é justificável. Ponto.

Se você duvida, veja estes posts abaixo, da mesma página, e observe a linguagem usada. Eles estão deliberadamente incitando a violência, só que fazem isso através de um discurso velado. Diferente do imbecil Jair Bolsonaro, eles não enaltecem a tortura e a violência com palavras, mas com ações. Com as palavras eles enaltecem "o amor", "o respeito", etc. Lindo, não é?


Contudo, não para por aí. Mídia Ninja não é só Datena e saliva, eles também atacam diretamente seus opositores e sabem escolher bem as palavras e as imagens para isso. Notem que na postagem abaixo, escolheram a foto em que Kim aparece ao lado de Eduardo Cunha, que é provavelmente um dos políticos com maior rejeição no momento. A página questiona quem financia suas viagens, algo que na realidade pode ser encontrado no site do MBL. O objetivo do questionamento não é saber a resposta, pois isso eles já sabem. O que querem é justamente levantar a bola e deixar que os militantes mais tolos chutem pro gol. E, mais uma vez, as hashtags. O que você entende por "Ratos não passarão"? Como já disse em outro artigo, "não passarão" é meramente um eufemismo para "vamos bater em opositores."


Agora, algo que quero explicar aos meus leitores e que talvez seja até mais importante do que todo o restante do artigo: Não é para nós, liberais, conservadores ou pessoas comuns, do povo, que esta linguagem é direcionada. Nós não somos o público alvo dessas narrativas. Figuras espertas da esquerda não possuem a pretensão de nos convencer ou de nos comover por meio de falácias baratas e apelos emocionais bobos. A finalidade disso tudo é atingir a própria militância de esquerda, organizando-a e incitando-a à ação.

O que quero dizer com isso é que Mídia Ninja quer ver mais cuspes, quer ver mais pessoas reagindo e agredindo opositores. Eles querem ver a escalada da violência. Como disse no artigo sobre José de Abreu, o cuspe é um prelúdio, é só o comecinho. A finalidade é partir para a porrada, agredir de verdade a oposição. E tudo isso será legitimado, repito, por discursos como os de Jair Bolsonaro, enaltecendo figuras que, no imaginário popular, são vistos como monstros lutando contra os coitadinhos comunistas.

Ao discursar no dia da votação do Impeachment de Dilma, Bolsonaro deu a senha. Ele fez o jogo que a esquerda queria. Verdade seja dita, as diversas provocações e ataques ao Bolsonaro realizados pela esquerda sempre tiveram como finalidade as reações dele. Ilude-se quem acha que ele é independente. Longe disso. O deputado é uma marionete controlada por socialistas mais espertos e malandros do que a maioria dos intelectuais que o liberalismo já produziu. Isto, é claro, se não estiver nos sabotando de propósito, o que sinceramente não descarto. Seu histórico de apoio à esquerda nos anos 90 e sua ajuda a eleger Lula não contam pontos a seu favor.

A propósito, uma coisa importante não pode ser deixado de lado. Esse negócio de cuspir na oposição não é novidade. Chico Buarque, muito tempo atrás, também cuspiu em Milôr Fernandes.





ARTIGOS RELACIONADOS

Dossiê | Marina Silva