10 de março de 2016

Pautas Quentes | A militância histérica - criminosa - de Lula

Estado democrático de direito, esta entidade invisível pouco compreendida, passou a ser evocada com frequência após a condução coercitiva de Lula na última sexta-feira, dia quatro de março. Outras entidades também foram evocadas, tais como "sequestro de Lula" e "ataque às instituições democráticas". Tudo balela, discursinho pronto para enganar bobos.

O primeiro ponto sobre a condução de Lula é que ela só foi coercitiva porque ele mesmo quis assim. Como relatou Luciano Flores, delegado da Polícia Federal, ao ser intimado para depor o ex-presidente afirmou que só sairia de lá algemado. E assim foi. Obviamente a intenção de Lula não foi apenas a de enfrentar a autoridade que lhe forçava a sair do local, foi também uma estratégia política, uma artimanha para chocar a imprensa. Não é todo dia - infelizmente - que vemos políticos tão populares sendo levados com algemas para algum lugar, algo incomum assim causaria a impressão de que houve contra Lula alguma forma de ação exagerada por parte da polícia.

Não por acaso foi exatamente esse o discurso usado por ele, o molusco, horas mais tarde em sua reunião com todos os membros da facção criminosa chamada Esquerda Brasileira (PT, CUT, UNE, MST, PCdoB, etc), vídeo que foi mostrado na íntegra durante o Jornal Nacional e repetido posteriormente no Jornal da Globo, esta imprensa "golpista" que "não dá" espaço para a esquerda falar. Na reunião, o ex-presidente reafirma não ter nenhuma relação com o sítio e nem com o apartamento no Guarujá, ambos locais repletos de pertences pessoais dele próprio. 

A última foi do Ministério Público de São Paulo, que denunciou Lula por falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Em resposta, petistas alegam que o ex-presidente sofre "perseguição política" e repetem o discurso de que Lula foi "sequestrado" pela Polícia Federal ao ser levado para depor. No Twitter, a conta do partido chega ao ridículo de chamá-lo de "preso político", sendo que o próprio nem mesmo foi preso até o momento.

A parte final é a melhor. "Precisamos todos reagir. Agora!", trata-se de um claro chamado para a guerra, que pode se dar tanto no campo das disputas políticas quanto por meio da violência pura e simples. A julgar pelos fatos ocorridos no último fim de semana, certamente a última opção foi a escolhida. Se tem algo que certamente viola o tal "estado democrático de direito" é um partido declarar, oficialmente, que é preciso agir contra a lei e contra os trâmites jurídicos. Num país sério, pessoas ligadas à atual direção do partido estariam na cadeia por incitação à violência, no mínimo.

O resultado da militância pró-Lula é sempre o mesmo: buscar a violência. No fim das contas, o que querem é o poder totalitário, absoluto e completo. Por isso jamais aceitarão que um ex-presidente é apenas um cidadão como qualquer outro e que, exatamente no estado democrático, ele precisa responder às leis como todos nós. A intenção de defender Lula quando ele simplesmente é tratado como cidadão que cometeu um crime - e um crime grave - não se diferencia muito daqueles casos em que a mãe defende o filho assassino. A diferença, talvez, é de que a mãe é mãe, enquanto esses militantes sãofanáticos sociopatas com sede por poder.

E o que dizer sobre esta mensagem do ator José de Abreu, que atualmente faz o papel de Lula (chefe de uma organização criminosa) na novela das nove! Deleite-se com a cordialidade, com o respeito e com a tolerância raivosa e petulante da esquerda:

Quando ele diz "vão ter guerra", podemos facilmente presumir que este seja o apito de cachorro que ele e outros usam para chamar silenciosamente a militância violenta. A ideia é inflamar a raiva dos soldadinhos voluntários que darão seus corpos para defender o líder, enquanto ele próprio obviamente permanecerá no conforto de seu apartamento ou no iate.

O discurso de que Lula é um preso político ou mesmo de que sua condução forçada não foi necessária, quando ela foi, não passa de uma manobra discursiva para incutir na mente dos militantes ainda pacíficos que eles precisam se mexer, precisam acabar com tamanha "injustiça" contra o "pai dos pobres", o homem que "tirou milhões da miséria" desviando bilhões de reais num esquema gigantesco de corrupção e poder totalitário sobre a nação. Para quem baba essas palavras isso é só um joguinho de tabuleiro, então não há problema nenhum em brincarem com as vidas das outras pessoas. 

A esquerda é criminosa e ela o é conscientemente. Esses discursos criminosos devem ser punidos com o rigor da lei, pois aí sim veremos o tal estado de direito em sua plenitude.